Arquivos Medicina do Exercício e do Esporte - Blog HZM
Categoria

Medicina do Exercício e do Esporte

Incidência de Covid-19 no futebol paulista é a maior do mundo no esporte

Incidência de Covid-19 no futebol paulista é a maior do mundo no esporte

Enquanto o maior campeonato estadual de futebol do país segue suspenso, como parte das medidas do governo de São Paulo para conter o avanço da pandemia de Covid-19, um estudo com jogadores e jogadoras paulistas revela que, em 2020, 11,73% dos atletas testados haviam sido contaminados pelo Sars-Cov-2. O índice é maior que o das principais ligas mundiais, como a da Alemanha, e compatível com profissionais de saúde brasileiros na linha de frente.

Atividade física vigorosa aumenta a longevidade

Atividade física vigorosa aumenta a longevidade

Aumentar a intensidade da atividade física pode ser um dos caminhos para uma vida mais saudável e longeva. É o que mostra um novo estudo internacional, liderado por um pesquisador brasileiro. Os autores compararam a redução da mortalidade associada a diferentes combinações de atividades físicas, conforme as recomendações da OMS, e concluíram: indivíduos que se movimentam de forma vigorosa tendem a viver mais.

Exercício é mais importante que dieta proteica para idosas em perda de peso

Exercício é mais importante que dieta proteica para idosas em perda de peso

Individualmente, exercícios e dietas ricas em proteínas são medidas conhecidas por ajudar a perder peso e aumentar a força. Mas a união das duas estratégias não necessariamente amplificará os efeitos delas. Um estudo americano com mulheres de 60 a 85 anos mostra que uma alimentação com alto teor proteico, combinada a um treino aeróbico e de força, não traz benefícios adicionais à composição corporal e à força muscular.

Atividade física está associada a melhor saúde renal

Atividade física está associada a melhor saúde renal

O primeiro estudo em grande escala a investigar a associação entre atividade física e doença renal crônica (DRC) constatou menor probabilidade de progressão em indivíduos ativos fisicamente. A prática, segundo os pesquisadores, também faz com que os pacientes apresentem menos problemas cardíacos e tenham melhor sobrevida.

Exercício intenso tem maior benefício para saúde cardiovascular

Exercício intenso tem maior benefício para saúde cardiovascular

Quanto mais exercício, melhor para a saúde cardiovascular. Essa é a conclusão de um estudo da Universidade de Oxford, no Reino Unido, com mais de 90 mil pessoas. Embora os pesquisadores já tenham constatado menor risco de doenças cardíacas com a prática de exercícios moderados, os indivíduos que faziam atividades vigorosas se mostraram ainda mais protegidos.

Estudo avalia prognóstico de Covid-19 em jogadores de futebol brasileiros

Estudo avalia prognóstico de Covid-19 em jogadores do futebol brasileiro

Pesquisadores de cinco instituições paulistas investigam a resposta imune e o prognóstico de Covid-19 em jogadores de futebol profissionais. Além desse estudo, outros dois, com atletas de outras modalidades, avaliam possíveis efeitos da doença. Esses últimos têm a participação do professor e coordenador da pós-graduação em Medicina do Exercício e do Esporte do Instituto HZM, Dr. Carlos Hossri.

ACSM lança novas diretrizes para teste de esforço

ACSM lança novas diretrizes para teste de esforço

O Colégio Americano de Medicina do Esporte (ACSM, na sigla em inglês) lança, em fevereiro, a 11ª edição de suas diretrizes para teste de esforço. Criada em 1975, a publicação é considerada referência nas áreas de Medicina Esportiva, Ciência do Esporte e Condicionamento Físico. Conheça algumas novidades do livro, contadas pelo editor Gary Liguori.

Estudos mapeiam riscos do sedentarismo em adultos de meia-idade e idosos

Estudos mapeiam riscos do sedentarismo em adultos de meia-idade e idosos

Após a divulgação das novas diretrizes sobre atividade física da OMS, três estudos trazem dados concretos sobre os riscos do comportamento sedentário para adultos de meia-idade e idosos. Um deles, feito por pesquisadores da Unesp, estima que a alta prevalência de inatividade física na pandemia, se mantida por tempo prolongado, será responsável por 11,1 milhões de casos de diabetes tipo 2 e 1,7 milhão de mortes.

WhatsApp